Conheça as variedades de ultrassonografia obstétrica e quando fazer cada uma delas

Tireoide: endocrinologista dá dicas para sua saúde
11 de julho de 2019
Saúde da Mulher na Cindi
30 de julho de 2019

A  ultrassonografia obstétrica usa ondas sonoras para captar imagens do bebê no interior do útero da mãe, assim como imagens do útero e dos ovários. É um procedimento que requer pouca ou nenhuma preparação especial por parte da paciente. Segura e indolor, a ultrassonografia envolve a utilização de um pequeno transdutor e de um gel aplicados diretamente sobre a pele da paciente. Sons de alta frequência são transmitidos da sonda através do gel ao corpo e através de seus ecos é possível criar uma imagem. O exame ainda é capaz de avaliar o fluxo sanguíneo no cordão umbilical ou, em certos casos, o fluxo sanguíneo no feto ou na placenta.

Ainda mais precisa, a Ultrassonografia 4D é uma forma de diagnóstico de última geração que permite a obtenção de imagens das estruturas do organismo em traços bem definidos, incluindo o rosto, pés e mãos do bebê. O modo 4D significa ultrassom tridimensional em tempo real e pode observar os movimentos fetais como bocejo, olhar, sorriso ou piscar de olhos. Também é um procedimento que não exige preparo da gestante.

Já a ultrassom obstétrica com Doppler colorido serve para avaliar os vasos sanguíneos e a velocidade do fluxo de sangue do cordão umbilical e da placenta, observando se há alguma alteração para o feto, de forma a planejar a melhor forma ou o momento para o parto. É um exame que costuma ser realizado no terceiro trimestre da gestação, entre 32 a 36 semanas, sendo, de fato, necessário caso o médico suspeite de alguma alteração provocada por situações como crescimento abaixo do esperado, alteração do nível de líquido amniótico, gestação de gêmeos, diabetes materno ou diminuição da movimentação do feto, por exemplo. 

Há ainda  a ultrassonografia morfológica de primeiro ou segundo trimestres, que deve ser feita entre 11 semanas e 3 dias até 13 semanas e 6 dias de gravidez. Toda gestante deve realizar o ultrassom morfológico de primeiro e de segundo trimestre, é um direito que lhe é assegurado, independentemente da idade, de quantos filhos ela já teve ou de qualquer outro fator pessoal ou familiar. 
Por fim, a ultrassonografia morfológica de primeiro trimestre com doppler de artérias uterinas é utilizada para medir o fluxo sanguíneo em determinados vasos maternos e/ou fetais. Nesta fase da gestação é analisado o fluxo no cordão umbilical e nas artérias uterinas maternas que nutrem a placenta, além do ducto venoso fetal que também é útil na identificação da síndrome de Down e de doenças cardíacas.

A Cindi oferece todos estes procedimentos a suas clientes com equipamentos modernos, precisos e um corpo médico altamente qualificado. Agende seu exame aqui mesmo pelo site ou entre em contato conosco através das redes sociais para mais informações. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

× Como podemos te ajudar?